o vulto

segunda-feira, 5 de março de 2007 às 08:35

etiquetado como e

somos apenas o nada que completa uma praia de estrelas,
o nada escondido numa sombra presa a demasiados vultos,
o nada que passamos pelos lábios insaciáveis daquilo que buscam.
há o calor das tuas coxas,
o sabor do teu suór nas minhas mãos,
o derreter leve,
o arrepio frágil na violência de um beijo,
das tuas garras cravadas na minha alma,
- o risco que pisamos uma e outra vez.

caímos de costas
- esgotados.

dois pedaços de músculo frenético,
embrulhados em esperma, sangue, lágrimas.
mas tudo valeu a pena,
conheço bem a dor que te paira nas mãos.

sou o nada,
tudo o que agarras no espaço deixado vago pelo teu vulto.

sei como te sentes disse,
- amo-te.



J

Publicar um comentário