na tua dança

domingo, 6 de janeiro de 2008 às 04:40

etiquetado como

não durmo não descanso,
e a noite que se torna dia.

ouve-me, aqui sofro, somos dois e nada mais, nús, de tempos sempre perdidos, calculados na rápida conjugação dos astros, amantes e tudo o mais, abre a janela, abre-a, e vê, quem é que se importa com o mundo quando nos temos um ao outro e quando tu estás morta?

acalma-te, não empurres a vida com a pressa de chegar a noite, o corpo que levantas na rotina do fechar de olhos não é o meu. desejo que fosse.

gostava, uma morte lenta, sofrida, em brasas espalhadas nos sete pontos, levar ao fim e ficar, sereno, longe de uma eternidade, vida inferno.

ainda te vejo a tirar a roupa, a transformares-te em lodo, na tua dança, aquela que fazes tão bem.

e sinto-me tão vivo.


J

Publicar um comentário