matar a fome

domingo, 11 de maio de 2008 às 02:35

etiquetado como

para matar a fome, engana-se o vernáculo,
e despimos a língua de consciência,
injectam-se grandes quantidades de barbitúricos,
- daqueles bons, p'r'ás dores
e rezamos uns terços.

não há coisa mais bela que o amor incondicional, aquele que se dá sem troca, sem uma experiência prévia, que apenas nasce, cresce e que é colhido no mesmo instante, maduro, sem bicho, sem fertilizantes ou aditivos - apenas é. um gajo perde-se demasiado a contar os nós do novelo, à procura do início daquele amontoado de condutas, sem dar conta de que o novelo já se desfiou p'lo chão, atando os nossos pés que, ao mínimo movimento, rodopiam no mesmo sítio, para cairmos de boca, incrédulos.

podendo até estar errado,
ergueu a taça e cantou vitória,
e quando terminou, cansado,
sentiu-se vil, escória.

gostava de te roubar um naco, daqueles quentes, pegar na lâmina e na pedra de amolar, esfregar fricção esfregar, esticar a carne e lentamente ir cortando pedaços, fartos, e deixá-los caír para o pires do balcão, com duas fatias de pão, para a marmita do almoço e jantar, ceia eternidade, daquela carne doce, salgada, com sabor picante no peito, ou daquele açúcar que se derrete na boca - o teu ventre - até não sobrar nada, de pança cheia e pleno, sempre com fome por mais.

naqueles abraços, apertos,
na saliva segregada quente,
nos lenhos arrancados do pescoço,
nasceste bela, de dentro para fora,
entregue às nuvens de fósforos,
que queimam
- fulcral
queimam sem perguntar se,
e guardamos para dentro a incerteza,
dos 29 anos passados
naquele piscar de olhos.

_te!


J

Publicar um comentário