passes milimétricos

quinta-feira, 1 de maio de 2008 às 06:21

etiquetado como e

podia perder o meu tempo a falar da bola, de como o rui finta tudo e todos, naquelas jogadas cheias de mestria e raça, passes milimétricos, misseis de precisão, o terror em qualquer campo inimigo, onde qualquer soldado com dois dedos de testa borra as calças, especialmente quando sente os tomates apertados pela ínfima probabilidade de sobrevivência à guerra que vem até ele, não porque ele a procura, mas porque não lhe pode escapar, é inevitável, contam assim os tempos, os longínquos e os mais recentes.

mas não o vou fazer.

podia até contar-vos das noites em que me perdia sem olhar para trás, agarrado àquelas belas pernas até ao infinito horizonte que se nos revelava pela noite dentro, enquanto que os contentores do lixo eram levados pelos homens que o tiravam da rua, embalados naquela recôndita profissão que todos preferimos esquecer ou olhar de lado, seja pelo cheiro ou pela indiferença, nojo, os restos humanos de uma prostituta.

mas também não o vou fazer.

vou simplesmente deitar a cabeça - está pesada - naquela almofada que tenho desde os meus 3 anos, e mordiscar n'algo para adormecer. roer os pulsos quiçá.



J

Publicar um comentário