árvores

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011 às 23:59

etiquetado como

decorriam épocas

mas o mundo não era como tu
não ser

caia.

sentia o vento a delinear as tuas impressões digitais na minha boca

mas o meu amor caía, derrubava-se pela vasta paisagem. o deserto seco vasto,
a gota de sonhos
o sono sai
não sabia dele.

do amor.

e revirava-me,
transformava-me em gotas de

caíam.

o ventre
do amor
pestanejava

tudo que sei é permite-me dizer
desconheço o sonho.

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

como a chuva forte na janela,
nos ecos da rua nas portadas,

separava os cordões umbilicais.

letras que,
não. sabia que não. quando me levantei
pisei terra e desci

revoltei as marés com o amor eterno.

1 Comentário:

Tantas saudades de te ler e reler.
T

Publicar um comentário