ressonância

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011 às 00:20

etiquetado como

as vagas noções de tempo e espaço abandonadas em mim
- as pontas dos dedos ensanguentadas afiadas no rosto do peito

na face da terra que cobre a mortalha

queria dizer apenas em sentimentos sangue-púrpura
o pecado que levam as asas do vento
até às masmorras dos dedos abandonados na sua sorte
porque ninguém é apenas.



xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx


a desgraça introduzida ao acaso, distribuída uniformemente em movimentos da língua.


xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx


Saber que a vida era o que tinhas planeado
ou deixado sem vontade,
à sorte afogada na lama do rio,
naquele sabor adocicado das vagas que se apropriavam do teu corpo,
na tua vontade de conduzir a energia dos céus.

Descobriste as tuas maneiras de separar o sal e o calor
e dançavas a luxúria animal com o sabor do sangue nos dentes.

A agonia não tem vergonha - escolhe-te
sem decidires quando o sol nasce ou as estrelas no céu
morrem
apenas adias o sorriso do chacal que te espera na garganta do nó.

És apenas o peso morto na ponta da corda que se balança
nas lágrimas da terra recortadas às moedas de latão
deixadas esquecidas perdidas
na mesa da morgue.

Recorda a misericórdia dos sorrisos solitários.


X

1 Comentário:

6 de março de 2011 às 10:52 Anónimo escreveu:

eu gosto tanto do que tu escreves. as tuas palavras embalam-me.
T

Publicar um comentário