TÍTULO Vi

quinta-feira, 17 de maio de 2012 às 14:28

Círculo redondo,
corpo nú
braços deslocados em sombras abraçadas ao
sonho torcido,
uma memória vaga de viver
repetida a cada oscilação do peito
pausa

o chão frio recebe-me por inteiro
sou a redoma de vísceras que tomei para mim
e sinto apenas o fulgor do sangue a diminuir,
a tranquilidade absoluta de ser silêncio,
a memória vaga de viver,
pausa

mordes-me os olhos.

vivo nesta abóbada de estrelas murchas,
amontoo segredos nos ossos e perscruto a sua sinfonia muda.



vou demasiado tarde para me deixar afundar no surrealismo celeste
e é assim que desisto da vida todos os dias.




J

Publicar um comentário