é apenas um casulo

terça-feira, 1 de fevereiro de 2011 às 00:19

etiquetado como

Ninguém se importa com as vozes que cantam em vão,
com o tanto que há para nos socorrer no suspiro preso aos lábios
que desejamos roubar, tomar como nossos.

Ninguém quer saber dos segredos que deixamos no leito da morte,
quando espreitamos para além da rude caveira que nos espreita,
que range os dentes ao adivinhar o delicioso e requintado banquete.

Ninguém gosta de fazer amor com a sua morte.

Mas há quem a foda.


XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX
XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX
XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX


Se por acaso leres isto, lembra-te de mim,
das vitórias raras que arrancaste ao meu sanguinolento sorriso,
lembra-te dos momentos que preferias ter guardado para ti,
de corpo rasgado, olhar macabro, a flutuar no rio.


XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX
XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX
XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX


É tão bom sentir as tuas carícias com a luz do sol nos meus olhos,
cego, embriagado com o terno calor do coração que carrego nas mãos.


XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX
XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX
XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX


Gostava que dançasses para nós,
para a vitória dos nossos corpos, abandonados a si,
entregues à luxúria que nos transborda do peito,
com a energia de universos que colidem
e rasgam a carne que nos estranha,
que nos separa os esqueletos da união eterna.

Corpos, mortalhas fúnebres ou algo pior,
apenas podemos perder, mesmo quando vamos a jogo.


XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX
XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX
XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX


Ninguém se importa com o que estou a tentar dizer,
ou com as palavras que uso para descrever a felicidade que saboreio no teu corpo
- é a saliva quente que me escorre dos dentes, da boca em sangue,
que me acalenta a certeza da ternura dos teus ossos.


XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX
XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX
XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX


J

1 Comentário:

gostei conseguir sentir a belezar por de tras dessas tristes palavras.
embora nao sou nimguem para falar oque eu penso acho q voce deveria continuar assim!
espero acaber passando pelo seu blog outra vez no futuro!...
até la:bye bye

Publicar um comentário