Texto XII

terça-feira, 5 de junho de 2012 às 09:13

desceste em ti numa sombra em mim rendida ao turbilhão cálido que te rende imóvel na saliva quente eclipsado - Não sei escrever sobre coisas bonitas porque as coisas bonitas não existem. Nunca as vi, não me foram apresentadas. Trocámos olhares julgo que era quarta-feira, véspera de cinzas, - Vidro em pedaços que colei nos olhos para desmontar o caleidoscópio onde os meus dedos embarcavam em barcos atormentados pelas marés -

Perco a noção da violência dos nossos beijos quando cruzo as mãos sobre o horizonte, na ideia ou razão que se rende gasta em caleidoscópio de princípios ou noções abandonadas a uma idade demasiado gentil e inocente, de Verões lembrados com a melancolia das carícias dos nossos corpos enganados em si. Lembro-me de todas as sílabas que soletraste aos meus ouvidos, das mentiras que as tuas ancas me ensinaram quando não éramos mais que náufragos neste rio de absinto, desconhecidos — sem medo de nos perder — sabíamos que a gula era a nossa rota de colisão.

Deixo-me eclipsar na imensidão letárgica dos círculos em que a minha língua te descreve.



És a cicatriz e o sal e a infecção em mim. E isso é tanto e isso é tudo.




J

Publicar um comentário