Texto XX

segunda-feira, 30 de julho de 2012 às 01:38

Sujeito o papel a borrões que não consigo desmentir ou esconder. Planto alarmes a cada parágrafo onde abandono sentenças em que a ignorância alheia selecciona apenas aquilo que consegue entender. A histeria colectiva sobre o mito da minha morte é gravemente exagerado.



Tomo o vasto como meu
é destino certo
ou serpente alada.

Ignoro a película que filmas em sessões copiadas das matinés no Cine Paraíso,
estou demasiado focado no pequeno detalhe que cresce entre as pedras da calçada.

Sou o corpo desmembrado, sem alma, ser de sombra, um faz de conta de sorrisos,
epidemia fingida.

A caneta continua a escrever largas porções de ópio,
e escrevo sobre a vida enleada, torneada e esculpida na diáspora.

A taça de tinto, a abaladiça num sopro, desmaio.

Morte sem mácula.



A verdade é que não sei explicar o oceano profundo onde existo,
desejo este — ser aquático; fecho os olhos e inspiro o azul.

A fina centelha estelar que me embala os sonhos
brota nos terramotos da tua mão.



Sonho que morro.
Se morrer alguém estará/sobreviverá para carpir todo o potencial da vida que sonharam para mim.

A verdade é que não foi nesta vida que nasci.

Decomponho-me em todas as memórias que depositaste neste peito de costelas desarrumadas.
Sou o alvo em chamas, o punho violento que cai no momento do knockout.



O vinho arde-me nos olhos
         e nunca sei quando me seguem
e a verdade soa veloz, tempestade,
         luzes do palco,
                 cego,
         ressalvo a mudança em mim,
                 sou eu,
                             teu
— o incrível voo do cometa desesperado em cair.



J

Publicar um comentário