Texto XXVII

terça-feira, 5 de março de 2013 às 12:49

Adormecemos e conto os dedos
as sombras, os esqueletos,
os braços dentro da cama
um coração que bate
no outro coração que morde
            — reviro os olhos à procura do espelho na penumbra

            Os suspiros nocturnos são destroços no limite dos estilhaços, filhos órfãos do teu corpo-explosão.

Pinto-me com a luz fosca, tosca, do candeeiro de rua acima da janela, por onde deixo o amor entrar em dilúvio.

Dizes-me para amputar o destino
e rodeias-me,
levas-me o oxigénio da garganta para nela plantares silêncios
            — sem porquês
com a triste melodia desfiada aos olhos hesitantes,
guardada na caixa de música de madeira áspera
e rubra.

Ofereces-me o refúgio,
entre as portas que falam e dançam,
            — é no escuro que os meus medos aparecem
e tiras fotografias às convulsões
roubas, levas as sombras que apanhas escondidas no brilho do flash,
quando o meu corpo oscila para ti em púrpura-azul,
em movimentos fantoche, de corpo marioneta,
de boca aberta, de ferida aberta.



Confesso em segredo que o lamento dos relógios quando acusam os momentos que passam foi ideia minha.

Sorris porque já conheces o enredo.





J

Publicar um comentário