XXXV

terça-feira, 18 de junho de 2013 às 14:25

A saudade substitui a água dos pulmões, deixa as manchas negras desbotarem dos dias, das fronteiras onde o meu sorriso termina e as memórias do teu começam.

Confundo-lhe os nomes, é como acordar e sem abrir os olhos saber que se está cego. E no entanto é nessa certeza azul que escolho traduzir todas as maleitas de que padeço, em ai's e ui's comuns. A inabilidade ou impossibilidade em adubar as espinhas de peixe nascidas na ponta dos meus dedos obrigam-me a viver nesta casa sem janelas, fruto da árvore antiga que se desembrulhou nos teus olhos.




Raios. Quando cuspo para o chão é apenas, e só apenas, para ver se continuo a sangrar.



E nada disto faz sentido. E é tão verdade quanto o céu ser apenas uma mera sombra do teu reflexo.


Aqui não há paixão ou amor,
apenas contos abruptamente terminados.





J

Publicar um comentário