XXXVI

terça-feira, 2 de julho de 2013 às 14:21

dos meus olhos não leves a esmola de prata,
deixa-a para que os diabos me levem em carroças de fogo
e iluminem a noite nas centelhas azuis
    labaredas de dedos
        fumo de gente

Deixem que a memória da poesia seja espalhada no topo de um monte a plenos pulmões
até que todo o cosmos se dobre no infinito.

As palavras sem lábios que as molhem não têm cor,
fendem-se.



J

Publicar um comentário