Fôlego

terça-feira, 14 de julho de 2015 às 00:54

etiquetado como

olha estes pés dançantes engolidos nessa gargalhada
nossa
na luz com que saudamos o sol
às histórias de romances que fazem dormir a noite

    sê fogo de artifício ou cicatriz deste beijo

deixa que a linha se cruze nas letras do meu nome
e vê como a agulha puxa a carne
    destas palavras desenhadas nos meus olhos

restam-me as mãos nuas, mergulhadas em vertigens
    de oceanos inteiros
        e tu lá no fundo
        és toda, um novelo de saudade

o meu corpo é naufrago desse abraço.


quero acordar na luz da resposta
quando quiseres fugir
    e ir

nessa brincadeira
arrepiada

destas costelas quebradas.



J

Publicar um comentário